sexta-feira, 22 de agosto de 2008


SOFRO DE TPM


Tenho vivido dias intermináveis...

E a culpa é da minha TPM !

Sério...

Minhas relações mais próximas tem sido de grandes turbulência, mal humor, irritabilidade, falta de paciência e instabilidade...

E parece que quanto mais se está assim, mais coisas desagradáveis nos acontece.

É um tal de desentendimento, uma falta de tolerância com os outros, principalmente com os que em geral, fazemos um esforço sobre-humano de sermos tolerantes, nos dias comuns, claro.

Tô cansada, estressada, sem saco pra gente sem nexo e noção...sem saco pra nada que não me seja agradável ou me faça bem...

Nesse fim de semana resolvi: vou ser feliz...só falar com quem me faz bem, só rir das coisas que realmente me pareçam engraçadas, só me permitir energias de luz e afeto...


É isso!


Agora as informações médicas sobre a TPM, o mal feminino!!!


Segundo a Coordenadora do Centro de Apoio à Mulher com TPM do Hospital das Clínicas de São Paulo, Não existe uma única causa para explicar a TPM. Fatores hereditários, alterações hormonais e situações tensas costumam desencadear a síndrome. "A TPM em intensidade forte é muito comum em mulheres que fazem dupla jornada".

Mara Diegolli afirma que Nem todo mau humor porém é culpa do ciclo. Para descobrir, Mara aconselha que a mulher anote, durante dois meses, todos os sintomas e a intensidade deles nos 15 dias que antecedem as regras. Se eles desaparecerem junto ou logo depois que a menstruação descer, é TPM. Se não, são problemas que nada têm a ver com o ciclo menstrual.

Os sintomas mais comuns são: tensão, irritabilidade, ansiedade, agressividade, aumento de peso, dor nas pernas, dor nas mamas, inchaço no abdômen, depressão, choro fácil, falta de iniciativa, falta de concentração, esquecimento, dores de cabeça, tontura, taquicardia, aumento de apetite, compulsão por chocolates e doces, cólicas, enjôos, dores lombares e aparecimento de espinhas.

Por não ter uma causa definida, o tratamento dependerá do diagnóstico de cada paciente, já que os sintomas mais comuns são tratados separadamente. A medicação depende do mal predominante. Analgésicos, implantes hormonais e até antidepressivos têm sido usados. "Embora a TPM não seja considerada uma doença, o tratamento melhora muito a qualidade de vida da pessoa e de quem convive com ela", diz Mara.

Um comentário:

ingridviana disse...

Mesmo com TPM você me aturou bastante e foi muito paciente. Agradecida, viu? Beijo!