terça-feira, 18 de maio de 2010


As coisas que aprendi com as crianças


Confiança é um ato de fé, primeiro em você, depois no outro.

A verdade, não é uma palavra, mas uma ação viva, presente!

A alegria é o néctar de tudo na vida!

A capacidade de se refazer, pelas próprias mãos: cair, limpar o joelho e recomeçar a brincadeira...

A capacidade de ver com os olhos da alma...

A amizade e lealdade de um menino com o outro é função da vida: ser leal sempre!!!

Descer uma ladeira correndo e gritando, sem pudor ou medo do que vai encontrar pela frente.

Quebrar em pedacinhos o que queremos descobrir, desvendar, só pra saber como funciona; ou simplesmente, sumir com o que nos incomoda.

Transformar os caquinhos do vaso da sala que acabamos de quebrar num lindo peixe de mosaíco, num novo radinho, um novo carrinho, uma nova boneca...e sair por aí mostrando e gritando"pai, olha o que eu fiz...”

Valorizar cada ato, cada gesto e cada criação como se fosse a coisa mais importante do mundo...

Abraçar todas as vezes que sentir vontade sem medo de não ser correspondido... abraçar o mundo inteiro com toda a intensidade e vontade que se é capaz...

Rodopiar, dar um gingado e passar uma rasteira no problema ou na dor, ou no medo...

Ganhar a brincadeira e fazer disso uma comemoração digna de final da copa, quando o nosso time ganha, claro!

Espalhar no colorido da vida tudo que sentimos...

Escrever nossa história nas páginas de um caderno imaginário, só nosso...

Sentir o beijo do vento no rosto, tal qual ele beija uma palmeira e ela se balança pra agradecer.

Fazer careta pras coisas que não gostamos...

Ser ingênuo, a ponto de acreditar que não vamos crescer nunca... ou que isso vai acontecer só quando cansar de brincar...

Fazer do conhecimento uma grande aventura...

Se alimentar de sonhos e de luz...

Acreditar em tudo que não somos capazes de ver...

Aprender brincando...

Ter muitos amigos...

Superar as limitações com coragem...

Sorrir ... sempre...

Celebrar a vida... sempre...

Amar a vida, sempre... a cada instante...

Esperar a próxima brincadeira...

Ver a estrada e pensar que se tivéssemos uma tesoura gigante poderíamos cortá-la e assim encurtar a viagem...

Se enfeitar com as cores mais vibrantes, porque é assim que tem que ser...

Pensar em Deus como aquele menino que tá escrevendo uma história e colando as imagens que gostaria... e dando vida a tudo...

Olhar pro céu e ficar sem entender porque que as estrelas não caem de lá. E mesmo assim, sem entender, achar lindo os seus jogos de luzes...

Pensar que quando um barco chega lá na linha final do mar (aquela que a gente consegue avistar), ele vai cair...

Ser feliz sem motivo... ou com motivos...

Desenhar, desenhar e desenhar...

Imaginar, imaginar e imaginar...

6 comentários:

Lelê disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lelê disse...

Cada palavra que li aqui me trouxe sentimentos muitos. De delicadeza e paz profunda, de esperança e vida. Você Goretti, escreve como os poetas que creem na esperança apesar do grito, que lê na vida as entrelinhas de amor. Você escreve sobre a vontade de mudar o mundo e o faz, mas com uma leveza e uma sutileza únicas. Sobre as estrelas e seu encantador brilho, você Goretti é uma de infinita bondade e grandeza. Aprendo com você, todos os dias, sobre as gentilezas e a alegria da vida. É como você disse no texto sobre a lealdade entre os dois meninos... Você e sua tamanha poesia me engrandecem. Clap, clap, clap... mil aplausos para você, sua literatura, sua beleza. Parabéns e muito obrigada pelo belíssimo texto. Escreve mais, escreva sempre...

Shirley Arch disse...

Gostei muito do texto, profundo e inteligente.

Myrela disse...

Linda a foto! Combinando com o texto...

diene disse...

Nossa!Tô é emocionada!Sensibilidade, poesia!Tô me lembrando das sua fotos quando criança...me faz lembrar da criança que há em mim... do meu anjinho (Aryane)que me faz tão feliz com seu amor... confesso que tantas coisas tenho aprendido com ela, mas isso partilho noutro momento. O texto é lindo, Go! Belíssimas palavras! Sentimentos nobres! Amiga valiosa! Parabéns!

Maria disse...

Tinha tempo que não vinha aqui como tem tempo que não escrevo nada. Mas foi tão bom voltar e ouvir voce falando nesse texto. Me trouxe de volta e ao mesmo tempo, me lembrou como é bom ser criança ou pelo menos viver com a simplicidade de uma criança. AS vezes esquecemos isso e nos damos mal. Gostei da parte dos cacos quebrados se transformar num mosaico. São coisas que gosto de fazer.E noutro sentido, transformar os erros e dores em arte. em criar alguma coisa nova. Espero voltar a te ler sempre. Saudades. beijos