quinta-feira, 30 de julho de 2009


Não me prendo a nada que me defina. Sou companhia, mas posso ser solidão.
Tranqüilidade e inconstância, pedra e coração.
Sou abraços, sorrisos, ânimo, bom humor, sarcasmo, preguiça e sono.
Música alta e silêncio.
Serei o que você quiser, mas só quando eu quiser.
Não me limito, não sou cruel comigo!
Serei sempre apego pelo que vale a pena e desapego pelo que não quer valer…
Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato. ou toca, ou não toca.

(Clarice Lispector)

3 comentários:

Bebel disse...

TOCA! :)

Que lindo esse texto.
Essa parte é perfeita: Serei sempre apego pelo que vale a pena e desapego pelo que não quer valer…
Isso é coisa pra gente grande... :)

Saudades de você!
Beijos

A Moni. disse...

Dona Clarice sempre a nos inspirar... Melhor definição de auto-conhecimento, impossível!

Bel Lopes disse...

Adoro os textos de clarice!

=D